Buscar

Os nudes na adolescência: sedução ou constrangimento?


Lara namorava Lucas, os dois adolescentes de 16 anos. Durante o namoro, com frequência Lara mandava para ele nudes, as famosas fotos sem roupa. A primeira vez que Lucas pediu um nude, Lara ficou constrangida, mas ele insistiu e ela mandou. Lucas adorou. Com o tempo, Lara acabou ficando à vontade em tirar suas selfies e os nudes passaram a ser constantes nas trocas de mensagens. Alguns meses depois, o namoro terminou. Não demorou para as fotos de Lara estarem circulando nos grupos de WhatsApp de Lucas.


A história acima tem se tornado comum e se repetido diversas vezes com roteiros muito parecidos com este acima e com consequências importantes tanto para as meninas como para os meninos. Inicia-se um emaranhado de constrangimentos e arrependimentos. E se esta situação é tão frequente e suas consequências são tão embaraçosas, por que ela continua acontecendo?


O vício pela perfeição


Meninas e mulheres têm convivido com a busca pela perfeição. Desde pequenas, meninas já presenciam suas mães “brigando” com o corpo e com o rosto. E as observam recorrendo à medicina, a procedimentos estéticos, para corrigir o que, aos seus olhos, não está correto.


Sem querer, filhas aprendem que a busca pela perfeição exige muita energia. Mas esse esforço é em vão, pois, como a psicóloga canadense Marion Woodman escreveu em uma de suas obras: “a perfeição pertence apenas aos deuses. A completude é o máximo que o ser humano pode aspirar (sentir-nos completos como somos). Movimentar-se em direção à perfeição é movimentar-se para

fora da vida, ou, o que é pior, nunca entrar nela de fato”.


Esse movimento para fora da vida de que Woodman fala, pode se iniciar em casa, mas é fomentado também pelas redes sociais. Inspirado em famosas e influenciadores digitais, que diariamente compartilham fotos provocativas. As meninas repetem o que veem, postando selfies com bicos, olhares e poses.

As adolescentes que crescem neste ambiente de “espelho-espelho meu” e passam a tratar seus corpos como matérias brutas a serem esculpidas, acabam por se despersonificar. E ao ficarem distantes de si, do que sentem, compartilhar nudes passa a parecer algo razoável: é só escolher bem a pose, lembrar de aplicar o filtro, corrigir as imperfeições e enviar. E é exatamente neste instante que a privacidade se esvai.


Orientação a filhas e filhos


Embora as meninas sejam as que têm sofrido mais com a circulação de nudes, os meninos também estão expostos. Como ajudá-los? Aconselhe sua filha e seu filho, a não tirarem fotos de si mesmo sem roupas, ou quase sem roupas. Oriente-os a não pedirem fotos aos outros e, caso receberem, deletarem sem passar adiante. Peçam para que se coloquem no lugar do outro e reflitam sobre as consequências para todos.


Se a pessoa com que estão saindo, insistir, que seus filhos insistam também dizendo não. Expliquem a eles que não existe privacidade para fotos enviadas no ambiente virtual. Qualquer imagem compartilhada, pode ser repassada.



Gabriela Azevedo é psicóloga com mestrado em Comportamento do Adolescente, psicoterapeuta de adultos e adolescentes, e especialista em programas de carreira.

www.gabrielaazevedo.com.br

11 98381-4881         

11 3881-6548

gabriela.azevedo@verace.com.br

Atendimento: 

Pinheiros / Morumbi - São Paulo

Online - Brasil e exterior

  • Preto Ícone LinkedIn
  • Black Facebook Icon
  • Preto Ícone Instagram